Solo e Planta
Interpretação da Análise do Solo

RESULTADOS DE ANÁLISE DE SOLO

Além da interpretação da análise de solo para P, K, Mg e calagem, nesta edição estão sendo introduzidas interpretações para respostas a nitrogênio e teores de cálcio, enxofre, micronutrientes e, também, para resultados da análise química de amostras do subsolo. A tabela de interpretação de P foi subdividida para quatro grupos de culturas, de acordo com o grau de exigência a fósforo.

Nitrogênio

Ainda não se tem, para São Paulo, um critério confiável de recomendação da adubação nitrogenada com base na análise de solo. Está se adotando, para diversas culturas anuais, um critério de classes de resposta esperada que, associado às recomendações por produtividade esperada, deverá resultar em adubações mais coerentes com as necessidades em cada caso. Para algumas culturas perenes, as classes de resposta esperada a nitrogênio são estabelecidas com resultados de teores de N em folhas.

As classes de resposta esperada são assim conceituadas:

•    Alta resposta esperada - Solos corrigidos, com muitos anos de plantio contínuo de gramíneas ou outras culturas não leguminosas; primeiros anos de plantio direto; solos arenosos, sujeitos a altas perdas por lixiviação. Culturas perenes com teores baixos de N nas folhas.
•    Média resposta esperada - Solos muito ácidos, que serão corrigidos; plantio anterior esporádico de leguminosas; solo em pousio por um ano; uso de quantidades moderadas de adubos orgânicos. Culturas perenes com teores médios de N nas folhas. 
•    Baixa resposta esperada - Solos em pousio por dois ou mais anos; cultivo após pastagem (exceto solos arenosos); solos com cultivo anterior intenso de leguminosas; adubação verde com leguminosas ou rotação permanente com leguminosas; uso constante de quantidades elevadas de adubos orgânicos. Culturas perenes com teores altos de N nas folhas.
Fósforo e Potássio: os resultados de fósforo e de potássio são divididos em cinco classes de teores.


Os limites de classes foram estabelecidos com ensaios de calibração, realizados principalmente para culturas anuais em condições de campo e levando em conta as respostas aos elementos aplicados na adubação expressos em termos de produção relativa. Assim, a correspondência dos limites de classes de teores com os respectivos limites de produção relativa são os apresentados no quadro 2

[ Quadro 2 ] - Limites de interpretação de teores de potássio e de fósforo em solos.

No caso do fósforo, os limites de interpretação são dados para quatro grupos de culturas, com exigências crescentes de maior disponibilidade de fósforo: florestais, perenes, anuais e hortaliças. Trata-se de uma classificação feita para fins práticos de organizar a adubação fosfatada por grupos de culturas. Note-se que o limite superior da classe de teores altos é duas vezes maior que o limite superior da classe de teores médios. No caso do potássio, bem como de outros cátions trocáveis, os diversos extratores usados em laboratórios de análise de solo dão resultados comparáveis, significando que, em geral, não é importante mencionar o método usado na extração. Além disso, para potássio, o teor do nutriente no solo é um índice melhor para avaliar a disponibilidade do que a relação com outros cátions ou a porcentagem da CTC. A relação com a CTC pode, eventualmente, ser usada como um critério auxiliar, mas não em substituição ao critério básico dado no quadro 3. Já no caso do fósforo, é muito importante o extrator usado.

Para São Paulo, pesquisas realizadas no Instituto Agronômico, confirmando informações de diferentes países, mostraram que o processo de extração com resina de troca de íons é um método que avalia melhor a disponibilidade do nutriente para as culturas. De forma geral, o método da resina apresenta correlações mais estreitas com índices de disponibilidade de fósforo em solos, determinados com plantas, do que outros extratores usuais, permitindo uma diagnose mais apurada do grau de deficiência de P em solos.

Acidez

Os parâmetros relacionados à acidez dos solos, pH em CaCl2 e saturação por bases, apresentam estreita correlação entre si, para amostras retiradas da camada arável. A interpretação adotada para valores de pH em CaCl2, e da saturação por bases, é apresentada no quadro 3.

[ Quadro 3 - Limites de interpretação das determinações relacionadas com a acidez da camada arável do solo. ]

A determinação do pH em uma solução 0,01 mol/L de cloreto de cálcio, permite obter resultados mais consistentes do que a determinação do pH em água. Isto porque esta última determinação é mais afetada por pequenas quantidades de sais que podem ocorrer nas amostras de solo que chegam ao laboratório em conseqüência de adubações, períodos de seca ou da mineralização que ocorre em amostras de solo úmidas acondicionadas em sacos plásticos. A tabela de interpretação de parâmetros da acidez indica. no quadro 3, o objetivo técnico de servir de base para a organização de informações, como é o caso de acompanhar a evolução da fertilidade do solo. As culturas variam muito e, desse modo, as classes apresentadas podem ter significado diverso para grupos de plantas com características diferenciadas quanto à acidez.

Cálcio, magnésio e enxofre

Para cálcio, magnésio e enxofre, são estabelecidas três classes de teores com a interpretação apresentada no quadro 4.

A interpretação de magnésio é bastante consistente com os dados experimentais disponíveis e as tabelas de interpretação de diferentes instituições. Há bastante polêmica, tanto para o magnésio como para o potássio, sobre a interpretação em termos da porcentagem da CTC, ao invés dos teores, conforme apresentado no quadro 4.

Também aqui a experimentação agronômica aponta para o uso dos teores absolutos como o melhor critério. Na prática, se houver magnésio suficiente, não deverá ocorrer deficiência. Porém, se os teores de magnésio forem baixos, a adubação potássica poderá agravar a deficiência. Para o cálcio, os valores apresentados são os mínimos desejáveis para culturas, sendo o limite superior ao necessário àquelas mais exigentes no nutriente, independentemente da questão da calagem. Nesse caso, embora haja respaldo em resultados experimentais, já que deficiências de cálcio são raras em condições de campo, os limites apresentados são bem mais baixos do que os adotados por várias organizações no Brasil. Uma das grandes dificuldades é isolar a questão da deficiência de cálcio do problema da acidez excessiva, já que solos deficientes em cálcio são, em geral, muito ácidos. Nestes casos, a calagem corrige a acidez e supre cálcio em teores mais do que suficientes.

[ Quadro 4 - Limites de interpretação de teores de Ca2+, Mg2+ e SO4 2- em solos ]

Um assunto que tem ocasionado polêmica é a necessidade de estabelecer, no solo, uma determinada relação Ca/Mg. Há abundante informação na literatura, a qual mostra que as produções de culturas não são afetadas por essa relação entre valores que variam de um mínimo ao redor de 0,5 até valores acima de 30, desde que nenhum dos dois elementos esteja presente em teores deficientes. O enxofre é extraído do solo com solução de CaH2PO4 0,01 mol/L, que extrai principalmente a forma de sulfato, considerada disponível. A interpretação apresentada no quadro 4.3 refere-se à camada arável. Convém ressaltar que é comum haver acúmulo de sulfato abaixo da camada arável e, assim, uma diagnose mais apurada sobre a disponibilidade de enxofre deve levar em conta, também, os teores da camada de 20-40 cm de profundidade.

Micronutrientes

A interpretação adotada é apresentada no Quadro 5. O importante na interpretação da análise química de micronutrientes em solos é o uso de extratores adequados para avaliar a sua disponibilidade. Os extratores que se revelaram mais eficientes, nos estudos realizados no Instituto Agronômico, foram a água quente para boro e a solução do complexante DTPA para zinco, ferro, cobre e manganês. A interpretação da análise de solo para micronutrientes pode ser aprimorada pela consideração de diferentes espécies vegetais. Nas tabelas de adubação, a interpretação da análise de solo é incluída para aquelas culturas em que têm sido constatadas deficiências freqüentes.

[ Quadro 5 - Limites de interpretação dos teores de micronutrientes em solos. ]

Matéria orgânica e argila

O teor de matéria orgânica do solo não revelou ser, no Estado de São Paulo, um índice adequado para predizer a disponibilidade de nitrogênio em solos e, consequentemente, não tem sido usado para essa finalidade. O teor de matéria orgânica é útil para dar idéia da textura do solo, com valores até de 15 g/dm3 para solos arenosos, entre 16 e 30 g/dm3 para solos de textura média e de 31 a 60 g/dm3 para solos argilosos. Valores muito acima de 60 g/dm3 indicam acúmulo de matéria orgânica no solo por condições localizadas, em geral por má drenagem ou acidez elevada.